PASSARAM POR AQUI

sábado, 16 de julho de 2011

A vida sexual do casal

1 Coríntios 7.1-5


            Corínto era uma cidade famosa por seus cultos pagãos e pela imoralidade sexual. Ao escrever sua carta aos cristãos locais, o apóstolo Paulo fez questão de ressaltar:

1        “Mas eu digo: já que existe tanta imoralidade sexual, cada homem deve ter a sua própria esposa, e cada mulher, o seu próprio marido”. (v.2) Paulo ponderou que, entre casar ou ficar solteiro, era melhor casar para manter-se  puro e não cair em tentação sexual. Ele concordava que  homens e mulheres têm necessidades sexuais e emocionais, mas alertava que elas devem ser satisfeitas no relacionamento conjugal, pois, conforme a vontade de Deus, o sexo é para ser desfrutado no casamento.

2        “A esposa não manda no seu próprio corpo; quem manda é o seu marido. Assim também o marido não manda no seu próprio corpo; quem manda é a esposa.” (v.4) O apóstolo expressa igualdade entre marido e esposa e ressalta que cada um deve ter como prioridade as necessidades sexuais do outro. Para que isso funcione bem, o casal precisa amar com o amor que vem de Deus, que não procura os seus próprios interesses, tudo sobre, tudo crê, tudo espera e tudo suporta. Há período em que a esposa não pode corresponder sexualmente ao marido. Um exemplo disso [e o período pouco antes e depois do nascimento de um filho. Nesses momentos, o marido deve agir com amor, compreensão e autocontrole. O mesmo pode acontecer quando o marido é acometido por alguma doença. Então, a esposa deverá agir da mesma forma com amor, compreensão e autocontrole.

3        “Que os dois não se neguem um ao outro, a não ser que concordem em não ter relação por algum tempo a fim de se dedicar à oração”. (v.5) O apóstolo não está dizendo que um dos cônjuges pode chegar à casa e dizer que vai fazer um jejum sexual para dedicar-se à oração. Esta é uma decisão  que só pode  ser tomada se os dois concordarem. Quando um dos cônjuges começa a inventar desculpas para não ter relações sexuais é sinal de que algo não vai bem. Nesse caso, a comunicação é algo fundamental para resolver o problema.  Quando o casal compreende que o ato sexual é para duas pessoas que “deixaram” seus pais, uniram-se”e “tornaram-se  uma só pessoa”, que ele é comunicativo, um meio de lhes proporcionar filhos e também prazer, as tentações  terão mais dificuldades para atrapalhar o relacionamento.

4        Por isso. Dedique-se ao seu cônjuge e ao seu relacionamento sexual com ele. Reflita sobre as questões abaixo e avalie se você pode otimize ainda mais essa área do seu casamento.

a)      Há algo que eu esteja fazendo no relacionamento sexual que possa estar ofendendo o meu cônjuge?
b)      Há algo que eu poderia fazer para melhorar o nosso relacionamento sexual?
c)      Como está a nossa comunicação na área sexual?

      É de vital importância o casal aprender a desenvolver e ajustar sua vida sexual, comprometendo-se a satisfazer um ao outro e sabendo respeitar, aceitar, compreender as diferenças individuais, evitando, assim, desentendimentos e mágoas. (Pr. Jaime Kemp)